Últimas Postagens :

    10/02 - Mt 6,1-6.16-18

    10 de Fevereiro de 2016

    evandia

    Mateus 6,1-6.16-18

     “Cuidado! não pratiqueis vossa justiça na frente dos outros, só para serdes notados. De outra forma, não recebereis recompensa do vosso Pai que está nos céus. Por isso, quando deres esmola, não mandes tocar a trombeta diante de ti, para serem elogiados pelos outros. Em verdade vos digo: já receberam sua recompensa. Tu, porém, quando deres esmola, não saiba tua mão esquerda o que faz a direita, de modo que tua esmola fique escondida. Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de orar nas sinagogas e nas esquinas das praças, em posição de serem vistos pelos outros. ... E o teu Pai, que vê no escondido, te dará a recompensa.”




                Entendendo


    “QUANDO DERES ESMOLA,
    NÃO SAIBA TUA MÃO ESQUERDA O QUE FAZ A DIREITA!”

    Começa hoje a Quaresma, tempo forte para a caminhada de fé dos cristãos. Quaresma representa o número 40 na Bíblia, com muitos acontecimentos marcantes.

    O povo de Israel, conhecido como povo de Deus, caminhou durante 40 anos para fugir da escravidão e chegar à Terra Prometida, e ser um povo liberto; Elias subiu à montanha e permaneceu em oração durante 40 dias, ao descer, apresentou um novo projeto, tendo Deus como Senhor do seu povo; Jesus jejua durante 40 dias no deserto, e é tentado pelo demônio...

    Todos os acontecimentos mostram que a Quaresma representa um tempo de mudança de vida, de transformação e compromisso.

    No evangelho Jesus chama à atenção para que a esmola não seja usada como meio de projeção pessoal. Os fariseus da época relacionavam três atos de piedade: a esmola, a oração e o jejum. No entanto, para muitos, essa prática havia se transformado numa questão puramente externa e num motivo de orgulho, até o ponto de fazerem exibição pública de sua religiosidade, exibindo tais ações. É neste contexto que Jesus reage e denuncia tal abuso.

    Jesus ensina-nos a interiorizar a Quaresma, mostrando que o que torna válido nossas iniciativas, seja na caridade que praticamos a um carente, jejuns e orações é a atitude interior de conversão em relação a Deus e ao nosso próximo. O gesto externo deve ser resultado de uma atitude interior.
     




    Atualizando


    O SENTIDO DA “ESMOLA”
    CONFORME O CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA

    Começa hoje a Quaresma, tempo proposto para novas atitudes em nosso comportamento de cristãos. Espécie de Retiro Espiritual para recarregar nossas forças e sentido da vida. Três exercícios são colocados pela Igreja: Jejum (eu comigo mesmo); Oração (eu com Deus) e Esmola (eu com os irmãos necessitados).

    Segue o sentido de tais atos, orientados pelo Catecismo da Igreja Católica.

    Esmola como forma de penitência

    §1434 A penitência interior do cristão pode ter expressões bem variadas. A escritura e os padres insistem principalmente em três formas: o jejum, a oração e a esmola, que exprimem a conversão com relação a si mesmo, a Deus e aos outros. Ao lado da purificação radical operada pelo batismo ou pelo martírio, citam, como meio de obter o perdão dos pecados, os esforços empreendidos para reconciliar-se com o próximo, as lágrimas de penitência, a preocupação com a salvação do próximo, a intercessão dos santos e a prática da caridade, "que cobre uma multidão de pecados" (1Pd 4,8).

    §1438 Os tempos e os dias de penitência ao longo do ano litúrgico (o tempo da quaresma, cada sexta-feira em memória da morte do Senhor) são momentos fortes da prática penitencial da Igreja. Esses tempos são particularmente apropriados aos exercícios espirituais, às liturgias penitenciais, às peregrinações em sinal de penitência, às privações voluntárias como o jejum e a esmola, à partilha fraterna (obras de caridade e missionárias).

    Esmola, obra de caridade e de misericórdia

    §2447 As obras de misericórdia são as ações caritativas pelas quais socorremos o próximo em suas necessidades corporais e espirituais. Instruir, aconselhar, consolar, confortar são obras de misericórdia espiritual, como também perdoar e suportar com paciência. As obras de misericórdia corporal consistem, sobretudo, em dar de comer a quem tem fome, dar de beber a quem tem sede, dar moradia aos desabrigados, vestir os maltrapilhos, visitar os doentes e prisioneiros, sepultar os mortos. Dentre esses gestos de misericórdia, a esmola dada aos pobres é um dos principais testemunhos da caridade fraterna.


    §2462 A esmola dada aos pobres é um testemunho de caridade fraterna; é também uma prática de justiça que agrada a Deus.

    10/02 - Santa Escolástica

    10 de Fevereiro de 2016
    Santa Escolástica

    image

    “É irmã gêmea de São Bento e fundadora da Ordem das Beneditinas”

    Escolástica, irmã gêmea de São Bento, nasceu em Norcia, na Itália, no ano 480, de uma família nobre. Sua mãe morreu durante o parto e, ainda jovem, Escolástica se consagrou a Deus, fazendo o voto de castidade, antes do irmão, que estudava em Roma.

    Mais tarde, Bento fundou o mosteiro de Monte Cassino criando a Ordem dos monges Beneditinos, e Escolástica, inspirada por ele, fundou um mosteiro da Ordem das Beneditinas, com um pequeno grupo de jovens consagradas.

    São poucos os dados da vida de Escolástica. Os principais registros são datados de quarenta anos depois de sua morte, pelo papa Gregório Magno, que era beneditino. Gregório contou que, mesmo vivendo em mosteiros próximos, os dois irmãos só se encontravam uma vez por ano, devido às normas dos mosteiros. Isto ocorria na Páscoa.

    Certa vez, Escolástica se encontrou com o irmão, acompanhada por um pequeno grupo de irmãs, e Bento também estava acompanhado por alguns discípulos. Passaram todo o dia conversando sobre assuntos espirituais e sobre as atividades da Igreja.

    Quando anoiteceu, Bento, muito rigoroso às regras disse à irmã que era hora de se despedirem. Mas Escolástica pediu que ficasse para passarem a noite, todos juntos, conversando e rezando. Bento se manteve firme na sua decisão. Neste momento ela se pôs a rezar com tal fervor que uma grande tempestade se formou com raios e uma chuva forte caiu à noite toda, e ele teve de ficar.

    Bento então começou a dizer: "Que Deus perdoe você, minha irmã. Que é que você fez?" E ela respondeu: "Pedi a você e você não me ouviu, então pedi ao Senhor e Ele me ouviu". E assim passaram a noite juntos.


    Três dias depois, em seu mosteiro, Bento recebeu a notícia da morte de Escolástica. Enquanto rezava, olhando para o céu, viu a alma de sua irmã penetrar no paraíso em forma de pomba. Bento mandou buscar o seu corpo e o colocou na sepultura que havia preparado para si. Ela morreu em 10 de fevereiro de 543, com 63 anos de idade.

    10/02 - Dia da Criação da Agência Espacial Brasileira

    10 de Fevereiro de 2016


    Dia da Criação da Agência
    Espacial Brasileira

    image

    A Agência Espacial Brasileira (AEB) é uma autarquia do governo brasileiro de natureza civil, que está vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). Criada em 10 de fevereiro de 1994, tem por finalidade promover o desenvolvimento das atividades espaciais brasileiras de forma descentralizada.
    Atualmente a AEB está sob controle civil, anteriormente estava sob controle militar. Alguns atribuem esta mudança, a pressões dos Estados Unidos. Outros acreditam que foi decorrente da mudança de foco do programa espacial, após a chegada de civis à Presidência da República.

    09/02 - Mc 7,1-13

    09 de Fevereiro de 2016

     evandia

    Marcos 7,1-13

    Os fariseus e os escribas perguntaram a Jesus: “Por que os teus discípulos não seguem a tradição dos antigos, mas tomam a refeição com as mãos impuras?” Ele disse: “O profeta Isaías bem profetizou a vosso respeito, hipócritas, como está escrito: ‘Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. É inútil o culto que me prestam, as doutrinas que ensinam não passam de preceitos humanos’. Vós abandonais o mandamento de Deus e vos apegais à tradição humana”. E dizia-lhes: “Sabeis muito bem como anular o mandamento de Deus apegando-vos à vossa tradição. De fato, Moisés ordenou: ‘Honra teu pai e tua mãe’. E ainda: ‘Quem insulta pai ou mãe, deve morrer’. Mas vós ensinais que alguém pode dizer a seu pai e à sua mãe: ‘O sustento que poderíeis receber de mim é ‘corban’, isto é, oferenda’. E já não deixais tal pessoa ajudar seu pai ou sua mãe. Assim anulais a palavra de Deus por causa da vossa tradição, que passais uns para os outros. E fazeis ainda muitas outras coisas como essas!”



                Entendendo


    JESUS DENUNCIA AS FALSAS TRADIÇÕES
    QUE TIRAM A LIBERDADE DOS FILHOS DE DEUS

    O povo se reúne mais uma vez em volta de Jesus. O Mestre era acompanhado e vigiado de perto por escritas e fariseus, que observavam se seus ensinamentos correspondiam aos princípios da religião judaica da época.

    Jesus ensinava um culto em espírito e verdade. Repudiava um culto hipócrita, que usava a tradição para esconder interesses egoístas. Ele prova aos dois grupos que o seu rigor não tem sentido. Mostra a hipocrisia deles em reclamar dos discípulos que contrariam a tradição, não lavam as mãos antes da refeição e, no entanto, impedem os filhos de ajudarem seus pais, contrariando o mandamento de Deus: “Honrar pai e mãe”. Estão preocupados com o secundário e sacrificam o essencial.

    O verdadeiro culto nasce do interior do coração. Este sim é capaz de levar a gestos de compreensão e bondade, e não fica apenas nas celebrações e teorias da fé, mas compromete o cristão para ser diferente em suas atitudes.




    Atualizando


    PROGRAMAS COMO O BIG BROTHER FAZEM
    REDUZIR A INTELIGÊNCIA DAS PESSOAS, DIZ A CIÊNCIA!

    A Ciência diz que quando as pessoas não pensam criticamente sobre o que estão consumindo numa mídia correm o risco de “assimilar características mentais expostas”. Em outras palavras, assistir a um programa medíocre como o Big Brother deixa você mais limitado intelectualmente.

    Você não precisa ser muito esperto para saber que o Big Brother é fraco. Entre as piores desculpas para assistir o programa, uma delas é que ele é “desestressante” e “inofensivo”.

    Bem, não é inofensivo. Ao contrário, empobrece a mente.Um estudo conduzido por Markus Appel, professor associado da Universidade de Linz, na Áustria, concluiu que quando as pessoas não pensam criticamente sobre o que estão consumindo numa mídia correm o risco de “assimilar características mentais expostas”.

    Em outras palavras, a estupidez de participantes e apresentadores de absurdos como o BBB é danosa à saúde, ainda que temporariamente.

    “Não é como uma doença que você pode ter por um longo tempo. Nós não estamos dizendo que você será prejudicado um dia depois de ler um livro estúpido ou ver um programa de TV ruim”, disse Appel. “Mas a pesquisa mostrou que o desempenho em testes de conhecimento é prejudicado por esse tipo de coisa”.

    Num experimento com 81 pessoas, Appel pediu a diferentes grupos que lessem um roteiro que contava o caso de Meier, um hooligan alcoólatra e intelectualmente debilitado. Metade recebeu a instrução de pensar de maneira diferente do protagonista, enquanto a outra metade não teve instrução nenhuma antes de ler.

    Em seguida, todos fizeram um teste. O grupo que fez uma leitura crítica se saiu muito melhor — um processo que Appel considera ser responsável por manter longe do efeito contagioso da imbecilidade. Conhecimento geral não é o mesmo que QI é claro. Mas os resultados, de acordo com Appel, “ajudam a reforçar a tese de que as pessoas são influenciadas de maneira sutil, mas significativamente, por produtos de baixa qualidade”.
     

    Bella, uma bailarina do BBB 14, parecia ter alguma consciência do nível de indigência da atração criada pelo hoje milionário John De Mol. Há algumas semanas, foi flagrada pela TV numa dúvida. “Será que as pessoas ‘faz’ isso mesmo, ‘compra’ [o pacote para ver o BBB]? Tem mais o que fazer, não, que ficar vendo umas conversa ‘troncha’ (sic) que nem essa…”

    09/02 - São Miguel Febres Cordero Munhoz

    09 de Fevereiro de 2016

    São Miguel Febres Cordero Munhoz

    image

                “O primeiro santo equatoriano se destacou como educador da juventude”
      
    Miguel nasceu no dia 7 de novembro de 1854, em Cuenca, Equador. Seu pai era professor universitário. Quando Miguel tinha cinco anos, disse ter visto Nossa Senhora durante um sonho e, desde então, decidiu que seria um sacerdote. Três anos depois, sentiu novamente a presença da Virgem Maria, quando foi protegido e milagrosamente escapou de ser morto por um touro selvagem.

    Aos nove anos ingressou no colégio da Congregação dos Irmãos da Escola Cristã de la Sale. Quatro anos mais tarde, iniciou seu noviciado. Tornou-se um sacerdote educador famoso, dotado de notável inteligência. Aos dezessete anos publicou seu primeiro livro pedagógico, que acabou sendo adotado pelo governo.

    Padre Miguel se firmou no meio intelectual como filósofo, pedagogo, teólogo e escritor de vários livros de gramática, manuais de geografia, história, religião e literatura. Chegou a ser eleito membro da Academia Equa­toriana da Língua. Trabalhou também em vários países como Espanha, França, Venezuela e Bélgica.

    Foi diretor dos noviços de sua Congregação de 1901 a 1904.  Depois foi enviado para uma escola nas proximidades de Barcelona, na Espanha, onde faleceu com cinquenta e seis anos, em decorrência de uma pneumonia, no dia 9 de fevereiro de 1910, na cidade Superior Del Estragar, onde foi sepultado.


    A fama de santo o acompanhou durante a vida e continuou mais intensa depois da morte. Vinte anos depois, seus restos mortais foram transladados para o Equador, onde seu corpo incorrupto foi recebido com honras de herói nacional. Foi enterrado na cidade de Quito, beatificado em 1977, e canonizado pelo papa João Paulo II, em 1984. Tornou-se o primeiro santo equatoriano.

    09/02 - Dia do Frevo


    09 de Fevereiro de 2016

    Dia do Frevo

    image

    O frevo é um ritmo musical com origem no estado de Pernambuco, uma dança que mistura marcha, maxixe e elementos da capoeira. Foi declarado Patrimônio Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

    A palavra frevo vem de ferver, por corruptela, frever, que passou a designar: efervescência, agitação, confusão, rebuliço; apertão nas reuniões de grande massa popular no seu vai-e-vem em direções opostas, como o Carnaval, de acordo com o vocabulário pernambucano, de Pereira da Costa.

    Divulgando o que a boca anônima do povo já espalhava, o Jornal Pequeno, vespertino do Recife, mantinha uma detalhada seção carnavalesca da época assinada pelo jornalista "Oswaldo Oliveira". Na edição de 9 de fevereiro de 1907, fez a primeira referência ao ritmo na reportagem sobre o ensaio do clube Empalhadores do Feitosa, do bairro do Hipódromo, que apresentava, entre outras músicas, uma denominada ‘O frevo’.

    ATUALIZANDO O JEJUM NOS DIAS DE HOJE!


    Já no primeiro livro da Bíblia Deus revela seu objetivo em entregar a nós, humanos, o domínio do universo e de nós mesmos: “Crescei e multiplicai-vosenchei e dominai a terra” (Gn 1, 28).

    A pessoa humana foi projetada para ser livre e protagonista da sua história. Quando Deus se revela ao povo hebreu, Ele os tira da escravidão do Egito e oferece uma vida de cidadãos livres em Canaã. É clara a intenção de Deus em querer que ninguém nos escravize - nem pessoas, nem coisas.

    Só que o vício contraria essa lógica. A partir do momento que uma pessoa humana é dominada pelo vício, ela não é mais dona de si mesma, pois está submetida a uma força que vem de fora. Perde a sua liberdade e se torna escrava de uma força estranha. Seja qual for o vício.

    Quando falamos em vício lembramos logo dos vícios clássicos e conhecidos popularmente como, por exemplo, as drogas pesadas, o cigarro, o álcool. Só que são muitas as forças e instintos que nos dominam fora dessa relação: sexo, poder, dinheiro, internet...

    É preciso pensar também em outros viciados que não são reconhecidos como tal e que são. Citando alguns casos:

    ·         Quantos são viciados em sexo. Comprometem seu casamento, sua profissão, vida social ou religiosa e não são reconhecidos como viciados!

    ·         Quantos, mesmo não exercendo poder de destaque como o de um político, por exemplo, e que são viciados em cargos e funções de destaque!

    ·         Quantos são os pobres, sem dinheiro ou status, mas viciados no apego ao pouco que têm!

    ·         Quantos estão desorientados, viciados na internet, virando noites e noites em busca de preencher seus vazios fora de si, esquecendo-se que o preenchimento está dentro deles!

    Pensemos nisso! Pois essas pessoas não mandam mais em si, já são dominadas por forças que as escravizam e atrapalham. E pode ser que eu, você, nós..., estejamos precisando de ajuda para fazer uma nova leitura do que significa “liberdade” e a busca do prazer sadio do bem viver.

    Deixando os vícios de lado e “atacando” o que é supérfluo...


    A Quaresma é tempo próprio de disciplina do corpo, da mente, do espírito. Um exercício que nos fará bem e levará à prática de duas ações ao mesmo tempo – jejuar algum supérfluo, como cerveja, cigarro, café em excesso, coca-cola, chocolate..., e o dinheiro que gastaríamos com esses produtos, direcionar a uma caridade em benefício de alguém. Isso beneficiará ao nosso corpo e deixará nossa alma renovada!

    08/02 - Mc 6,53-56

    08 de Fevereiro de 2016

    evandia

    Marcos 6,53-56

    Tendo atravessado o lago, foram para Genesaré e atracaram. Logo que desceram do barco, as pessoas reconheceram Jesus. Percorriam toda a região e começaram a levar os doentes, deitados em suas macas, para o lugar onde ouviam falar que Jesus estava. E, em toda parte onde chegava, povoados, cidades ou sítios do campo, traziam os doentes para as praças e suplicavam-lhe para que pudessem ao menos tocar a franja de seu manto. E todos os que tocavam ficavam curados.



                Entendendo


    JESUS ATENDE A UMA MULTIDÃO DESESPERADA

    O evangelho traz mais uma das cenas rotineiras da vida de Jesus Cristo – o contato com o povo. Lembremo-nos que se trata de um povo desvalido, desiludido da vida, abandonado pelos poderes públicos e pela própria religião da época.

    Jesus era reconhecido pelo povo, não por ser o Messias, o enviado de Deus, mas                   pelos feitos extraordinários e pela fama que circulava na região. Isso fazia com que eles, em seu desespero, acreditassem na energia curativa do seu corpo e o tocassem. Jesus não olha o nível de consciência dessa gente e qual a sua intenção de procurá-lo, mas a sua necessidade, sem perguntar “quem”, “onde” e o “porque”.

    Quanto ao nível de fé daquelas pessoas, podemos afirmar que estava num “estágio inicial”. Eles eram movidos pelas carências e buscavam curas e milagres extraordinários. O cristão consciente deve aprender que é necessário crer de modo mais profundo e não apenas porque precisa de uma graça ou melhoria de vida.




    Atualizando


    O DESESPERO DE PESSOAS MOVIDAS
    PELO CONSUMISMO E GUIADAS PELO PENSAMENTO DOS OUTROS

    Uma das grandes questões da nossa época é a chamada globalização. Uma espécie de anonimato disfarçado, onde a pessoa humana é apenas um detalhe, um número.

    Esta estratégia vem implantando falsas necessidades nas pessoas. A propaganda de carro, camisa, comida ou lazer, é um exemplo claro do que esperam de você e de mim, que possamos aceitar tudo que oferecem como se fossem nossas necessidades. E o pior é que às vezes as pessoas se sentem frustradas por não atingirem a realização de necessidades que não são suas.

    O indivíduo que sente o desespero-desafio, que quer ser ele mesmo, aprende a dizer não àquilo que não lhe pertence, às necessidades que os outros tentam implantar na sua vida. Ele tem coragem de ser diferente, de assumir que pensa e sente de forma única. Agindo assim, a pessoa é mais espontânea, pois procura estabelecer uma coerência interna, que se mostra externamente, porque ele procura viver o que sente, falar o que pensa e a cada instante, “tirar o que se espera dele”.

    Quantas pessoas assumiram o desespero-fraqueza! Acabaram casando com quem os outros esperavam que ela se casasse, ficaram no emprego ou na profissão que quiseram que ela trabalhasse, viveram a vida que esperavam que elas vivessem e sofrem, existencialmente, de uma maneira tão profunda como elas não esperavam para si.

    O que falta aqui? Falta a vida original, a vida de autoria do próprio indivíduo. A pessoa que abraça o desespero-desafio e quer ser ela própria, não se conforma em ser uma observadora, mas faz-se autora da sua própria história. Assume a responsabilidade de que a sua vida depende de si mesma, sem com isso deixar de conviver, respeitar e escutar os outros.

    Para adquirir essa personalidade capaz de ser protagonista de sua própria história é necessário conhecer e buscar os valores divinos, sem eles, qualquer independência pode perder o sentido.


    (Baseado no artigo “Desespero humano e crises existenciais” de Ethienny Corrêa)

    08/02 - São Jerônimo Emiliano

    08 de Fevereiro de 2016

    São Jerônimo Emiliano

    clip_image002

    “Depois de viver afastado de Deus se tornou “pai” dos pobres, órfãos, doentes e prostitutas”

    Jerônimo Emiliani nasceu em 1486, em Veneza, Itália. Sua família era rica e nobre, seu pai era senador. Aos 15 anos de idade tornou-se soldado do exército da República Veneziana, e aos 25 anos senador.

    Participou de várias batalhas e sempre se destacou na carreira militar. Era amante dos prazeres e das festas. Até que um dia se tornou prisionerio depois de perder uma batalha em 1511. Fiocu preso numa torre, carregado de correntes no pescoço, braços e pés, quando tinha 30 anos de idade.

    Neste período ele começou a pensar em Deus, e viveu uma forte experiência de conversão. Arrependeu-se de todos os pecados e pediu ajuda a Nossa Senhora para sair da prisão e poder reparar os erros que tinha cometido no passado.

    Ela, de forma milagrosa, ajudou-o a sair da prisão. Jerônimo imediatamente foi para a Igreja de Treviso e lá deixou as correntes que lhe haviam aprisionado. Pouco tempo depois, seguiu para Veneza e entrou para o seminário. Sua ordenação aconteceu aos 37 anos de idade.

    Era um momento difícil para a cidade, pois a peste havia destruído famílias e as principais vítimas eram as crianças. Sensibilizado com a situação, iniciou sua obra, colocando toda sua fortuna em favor dos necessitados. Começou um lindo trabalho de assistência e amparo aos pobres, órfãs, prostitutas e doentes da peste.

    Em 1531 fundou um instituto de religiosos na cidade de Somasca, Itália. Logo foram chamados de "padres Somascos". O grupo religioso se destacou por proporcionar educação gratuita aos menores abandonados e órfãos.  Assim nascia a Companhia dos Servos dos Pobres.


    Jerônimo fundou hospitais, orfanatos, asilos, escolas profissionalizantes e vivia em companhia dos pobres, mendigos, dos injustiçados, de quem se tornou pai e defensor. Faleceu em Veneza, depois de contrair a peste no dia 8 de fevereiro de 1537, quando tinha apenas cinquenta e seis anos de idade. Foi canonizado em 1767.

    08/02 - Dia da Memória da Guerra do Contestado, no Sul do Brasil

    08 de Fevereiro de 2016

    Dia da Memória da Guerra
    do Contestado, no Sul do Brasil

    clip_image002


    A Guerra do Contestado foi um conflito armado entre a população cabocla e os representantes do poder estadual e federal brasileiro, travado entre outubro de 1912 a agosto de 1916, numa região rica em erva-mate e madeira disputada pelos estados brasileiros do Paraná e de Santa Catarina.

    Originada nos problemas sociais, decorrentes principalmente da falta de regularização da posse de terras e da insatisfação da população hipossuficiente, numa região em que a presença do poder público era pífia. O embate foi agravado ainda pelo fanatismo religioso, expresso pelo messianismo e pela crença, por parte dos caboclos revoltados, de que se tratava de uma “guerra santa”.

    Em 8 de fevereiro de 1914, numa ação conjunta de Santa Catarina, Paraná e governo federal, foi enviado a Taquaruçu um efetivo de 700 soldados, apoiados por peças de artilharia e metralhadoras. Estes incendeiam completamente o acampamento, mas sem muitas perdas humanas, já que os caboclos e fiéis da causa do Contestado se refugiaram em Caraguatá, local de difícil acesso e onde já viviam cerca de 20.000 pessoas.

    A guerra terminou em agosto de 1916, durou mais tempo e produziu mais mortes que a Guerra de Canudos, outro conflito semelhante em terras do Brasil. Em quatro anos de guerra, 9 mil casas foram queimadas e 20 mil pessoas mortas.


     

    Seja Missionário Redentorista

    Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
    Copyright © 2011. Pe. Rosivaldo Motta, CSsR - All Rights Reserved
    Template Created by Creating Website Modify by Tereza Morais
    Proudly powered by Blogger