Últimos Posts

Evangelho
Revendo a História

Evangelho

Santo do Dia

Revendo a História

Artigo da Semana

Recent Posts

domingo, 25 de junho de 2017

25/06 - Mt 10,26-30

25 de Junho de 2017


evandia

Mateus 10,26-30

“Não tenhais medo deles. Não há nada de oculto que não venha a ser revelado, e nada de escondido que não venha a ser conhecido. O que vos digo na escuridão, dizei-o à luz do dia; o que escutais ao pé do ouvido, proclamai-o sobre os telhados! Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas são incapazes de matar a alma! Pelo contrário, temei Aquele que pode destruir a alma e o corpo no inferno! Não se vendem dois pardais por uma moedinha? No entanto, nenhum deles cai no chão sem o consentimento do vosso Pai. Quanto a vós, até os cabelos da cabeça estão todos contados. Não tenhais medo! Vós valeis mais do que muitos pardais. Todo aquele, pois, que se declarar por mim diante dos homens, também eu me declararei por ele diante do meu Pai que está nos céus. Aquele, porém, que me renegar diante dos homens, também eu o renegarei diante de meu Pai que está nos céus.



            Entendendo


“NÃO TENHAIS MEDO DAQUELES QUE MATAM O CORPO!”

Jesus sabe que a missão de seus discípulos seria também como a sua, marcada por provações e perseguições. Mesmo entre os seus, não encontrou acolhida. Foi criticado, blasfemado, insultado, rejeitado e, por fim, morto por ter sido testemunha da Verdade, por ter desmascarado o mal e buscado levar a luz onde só existiam trevas.

            A mensagem central do evangelho de hoje é para que os discípulos superem o medo e a angústia trazidos pela perseguição dos inimigos. Podemos organizar o seu discurso em três dimensões.

            Na primeira, Ele procura encorajar os discípulos mostrando que o medo não deve servir de obstáculo, a tal ponto de impedi-los de levar a sua mensagem e ensinar ao povo os mandamentos do Pai.

            Na segunda, fala sobre o julgamento. Avisa que o pior não é a morte física, provocada pelos perseguidores, mas, sim, a perda definitiva da vida em outra dimensão.

            Por fim, Jesus procura levantar a esperança dos discípulos, mostrando-os que o Deus que eles conhecem os protegerá sempre. Basta, no entanto, que os mesmos acreditem nessa presença fiel e constante.

           

           
Atualizando


VENCER OS DESAFIOS A CADA
DIA E TER A CORAGEM DE VENCÊ-LOS

Quando o mundo, com a sua superficialidade nos tira o respiro e a vida, com os seus pesos e provações que sufocam, temos vontade de desistir. É nesse momento que nasce a esperança Naquele em quem "podemos esperar contra toda esperança"

Passando pelas ruas de nossas cidades, muitas vezes vem a tentação de duvidar da fé das pessoas. Afinal, nós sabemos quantos perderam o senso de Deus. E isso se vê, se sente, se sabe; o cinema o teatro, a televisão a moda, a pintura e a música e os jornais o atestam.

Às vezes, certas situações nos deixam estarrecidos e uma sensação de desânimo nos assalta, vendo os inocentes juntamente com os adultos, imersos num mundo tão pouco cristão… É quando a fé — se ainda vive em nosso coração — nos sugere uma palavra de Jesus, daquelas eternas. 

E, atônitos, ficamos convictos e iluminados, certos de que aquela a Palavra divina tem a atualidade de sempre. E nasce no coração a esperança de que, nutrindo-nos dela, não só o nosso espírito encontrará a paz, mas com ela e por ela poderemos passar da defesa ao ataque contra o mal que nos circunda, pelo bem daqueles que amamos e desejamos ver salvos.

“Coragem, eu venci o mundo!” (Jo 16,33). Quando o tédio, a apatia ou a revolta ameaçam enfraquecer a nossa alma no cumprimento da vontade divina, devemos ir além. Com Jesus é possível que o “homem novo ” viva constantemente em nós, e as “nuvens escuras do mundo” se dissipem.

Quando nos pesam na alma situações que há anos se arrastam na família, na comunidade, no trabalho, pequenas ou grandes desconfianças, ciúmes, invejas, tiranias, devemos desempenhar a função de pacificadores e mediadores entre as partes adversárias e recompor a unidade entre os irmãos em nome de Jesus, que trouxe esta ideia à terra.


Quando envolvidos pelo mundo político ou social, calejado por paixões, por carreirismo, esvaziado de ideais, de justiça e de esperança, não nos deixemos sufocar. Devemos confiar e não abandonar o barco. Afinal, Aquele que venceu a morte, pode fortalecer em nós a força de superação a alcançarmos vitórias, ainda que pareçam pequenas, mas que nos farão sobressair diante das “forças do mundo”.

25/06 - São Guilherme de Vercelli

25 de Junho de 2017

São Guilherme de Vercelli

clip_image002

“De peregrino, a fundador da Congregação
Beneditina de Montevergine”

Guilherme nasceu em 1085, em Vercelli, França. Pertencia a uma família nobre e ficou órfão quando ainda era criança. Aos quinze anos discerniu sua vocação e vestiu o hábito de monge.

Gostava de peregrinar e percorreu toda a Europa visitando os santuários. Decidiu ir a pé peregrinando para a Terra Santa, e embora alguns amigos tivessem tentado tirar-lhe a ideia, ele insistiu, e acabou sendo assaltado e surrado violentamente.

Após esse fato, decidiu tornar-se um eremita, passou a viver na montanha de Montevergine, dedicando-se totalmente à oração e penitência. Outros eremitas começaram a seguir seus passos, e foram tantos os seus seguidores, que acabou fundando em 1128, um mosteiro masculino. Colocou-o sob as Regras beneditinas e o dedicou a Maria, ficando conhecido como o Mosteiro de Montevergine.

Comandou-o por pouco tempo e depois transferiu o cargo para um dos monges, pois decidiu continuar as peregrinações. Nelas, acabou fundando outro mosteiro beneditino em Monte Cognato. Deixou outro monge como responsável e se retirou para uma vida de solidão, na planície de Goleto.

Nessa planície, viveu durante um ano dentro de uma árvore gigantesca, até ser descoberto novamente. Formou ao redor da árvore uma comunidade, onde fundou mais um mosteiro masculino, e outro feminino. E assim, Guilherme que queria ser apenas um peregrino, acabou fundando a Congregação Beneditina de Monteverigine, que em 1879 se fundiu à Congregação de Montecassino.


Faleceu no dia 25 de junho de 1142, no Mosteiro de Goleto, com cinquenta e sete anos. Foi canonizado pelo papa Pio XII, em 1942.

25/06 - Dia do Imigrante

25 de Junho de 2017

Dia do Imigrante

clip_image002

Hoje é o Dia do Imigrante. Ele é aquela pessoa que vai exercer sua profissão em outro país, onde a mão de obra oferece mais oportunidades. Mas este não é o único motivo que o leva a sair do seu país. A busca pelo sucesso, cursos de especialização, qualidade de vida e aproximação dos familiares são alguns dos motivos que o levam a trocar de país temporária ou permanentemente. 

O Brasil é um país de imigrantes. Aqui, desde o final de 1800, chegaram para trabalhar as mais variadas etnias: italianas, alemães, polonesas, oriundos de quase todos os países da Europa e Ásia. Em fins do século XIX, os japoneses começaram a chegar em grandes grupos, sendo apoiados por seu governo devido à crise de trabalho existente em sua terra.  

Todos estes imigrantes, com sua força de trabalho e vontade de vencer, fizeram junto com os brasileiros, um Brasil próspero e rico. Progresso e crescimento que devem muito à mão de obra africana, que apesar do regime escravagista, deixou sua marca genética. 

Há muitos brasileiros que saem em busca de novos rumos  Alguns voltam sem conseguir seus objetivos, mas há os que adotam a nova terra. Alcançaram lá sua meta e voltam apenas para visitar ou buscar parentes, facilitando uma possível carreira fora daqui.

O fato é que sempre haverá imigrações, migrações e intercâmbios culturais, até porque, está no íntimo do ser humano a vontade de conhecer e conviver com novas culturas, aliada à necessidade de sobrevivência através do trabalho e especializações encontradas em outros países mais adiantados.


sábado, 24 de junho de 2017

24/06 - Lc 1,57-60.80

24 de Junho de 2017


evandia

Lucas 1,57-60.80

Quando se completou o tempo da gravidez, Isabel deu à luz um filho. Os vizinhos e os parentes ouviram quanta misericórdia o Senhor lhe tinha demonstrado, e alegravam-se com ela. No oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias. A mãe, porém, disse: “Não. Ele vai se chamar João”. Disseram-lhe: “Ninguém entre os teus parentes é chamado com este nome!” Por meio de sinais, então, perguntaram ao pai como ele queria que o menino se chamasse. Zacarias pediu uma tabuinha e escreveu: “João é o seu nome!” E todos ficaram admirados. No mesmo instante, sua boca se abriu, a língua se soltou, e ele começou a louvar a Deus. Todos os vizinhos se encheram de temor, e a notícia se espalhou por toda a região montanhosa da Judeia. Todos os que ouviram a notícia ficavam pensando: “Que vai ser este menino?” De fato, a mão do Senhor estava com ele. O menino crescia e seu espírito se fortalecia. Ele vivia nos desertos, até o dia em que se apresentou publicamente a Israel.



            Entendendo


OS MISTÉRIOS QUE
ENVOLVEM O NASCIMENTO DE JOÃO!

O nascimento de João Batista é cercado de expectativa, diante da nobre missão de ser o responsável em “preparar o terreno”, para que o enviado de Deus pudesse se manifestar ao mundo.

A gravidez de Isabel ganha ar de mistério, a partir do anúncio do Anjo a Zacarias, pois ele e sua esposa eram de idade avançada. Além disso, Isabel era estéril. A falta de fé de Zacarias foi punida com a privação da fala até que a Palavra de Deus se cumprisse. Os próprios vizinhos e parentes reconheceram que Deus havia presenteado aquela família. 

O nome dado ao menino foi outro fato extraordinário. Muitos queriam que se chamasse Zacarias, o mesmo nome do pai. Isabel recusou, seguindo a recomendação do Anjo. Quando Zacarias confirmou o nome dado por Isabel, sua língua se soltou e ele começou a falar normalmente. João significa “Deus é favorável”.



Atualizando


OS MISTÉRIOS DE DEUS
Primeiro “crer” para depois “entender”

Existem dois caminhos: crer para depois compreender ou compreender e depois crer; é uma bifurcação. São caminhos inconciliáveis, bem distintos e com uma diferença notável de ter fé e depois experimentá-la. Tomé teve que primeiro fazer uma experiência com Cristo para que comprovasse a sua fé.

Nós também sempre queremos compreender primeiro para depois crer. Para entendermos mais sobre a ressurreição é preciso estudar a Palavra, pois a fazer isso, purificamos nossa fé porque entendemos o que acontece.

A ressurreição é um mistério e compreendê-la para depois crer é complicado, porque corremos o risco de não dar o passo de acreditar que Jesus venceu a morte. Esse é o passo mais importante; nunca ninguém vai conseguir compreender a ressurreição por completo. Ninguém vai entendê-la porque é uma obra de Deus, é um mistério. Não é obra dos homens, ela nos supera, pois é um Deus Todo-poderoso. Se nós temos dificuldade de entender nossas coisas, imaginem entender os mistérios de Deus. Entender primeiro para depois crer? Complicado. Experimente primeiro e se entregue a Deus pela fé e experimente esse Deus maravilhoso. Aposte sua vida em Deus.

Infelizmente, temos que esperar e isso é muito difícil porque somos ativos e, às vezes, corremos o risco de cair em tentação e ditar as regras para Deus. Quando estamos procurando entender algo somos nós que ditamos as regras do jogo, mas quando fazemos uma experiência de verdade, as coisas mudam de figura e descobrimos que Cristo está ressuscitado.

A Palavra de Deus foi feita para ser experimentada. No entanto, muitas pessoas não estão dispostas a dobrar-se diante da verdade. O caminho mais seguro e certo é crer para depois compreender; é o caminho mais vantajoso. Crer o que não é possível compreender, pois é um mistério.

Jesus disse a Tomé: ”Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé”. Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!” Concluiu Jesus: “Creste, porque me viste. Felizes aqueles que crêem sem ter visto! (Jo 20, 27-29). Esse é o caminho mais seguro: crer sem compreender, pois os mistérios de Deus são inesgotáveis.
(Baseado no artigo “Os mistérios de Deus

são inesgotáveis” de Eliziane Alves e Márcio Mendes)
Videos

Seguir por E-mail